Rio Maior, 06/10/2015 - Entrevista a José Pacheco Pereira, em sua casa onde tem 250 mil livros
( Rui Oliveira  / Global Imagens )

Uma comunicação social cada vez menos plural

José Pacheco Pereira | Público

 

Foto: Rui Oliveira | Global Imagens – http://ruioliveiraphotospot.blogspot.pt

O jornalismo de referência, ou seja, o jornalismo, atravessa uma crise maior. E essa crise maior é, em toda a sua profundidade e extensão, uma crise da democracia.

Tenho para mim que há uma maneira muito fácil de identificar nos dias de hoje o jornalismo do “não há alternativa”, o jornalismo do “ajustamento”, o jornalismo de direita e da direita, que, em bom rigor, não é jornalismo, mas sim propaganda e manipulação, e constitui um sistema de “pensamento único” que empobrece o espaço público e o torna frágil. Esse critério pode ser enunciado deste modo: trata os problemas da “geringonça” como sendo estruturais e os problemas da oposição, em particular do PSD, como sendo conjunturais. O problema do actual Governo não é Costa, mas a aliança política maldita em que se alicerça; o problema da oposição pode ser Passos Coelho e a sua rigidez, não aquilo que ele diz; o problema do actual Governo é que, faça o que fizer, desde que não execute uma qualquer variante da política do “ajustamento”, está condenado ao fracasso; o problema do PSD pode ser uma crise de protagonistas, mas está sempre do lado da “inevitabilidade”, dos juros ou dos mercados; o problema de Costa é que com as “reversões” violou a austeridade sacrossanta; o problema de Passos Coelho é que convocou o Diabo antes do tempo; um conduz uma política errada pela sua própria natureza; o outro é inábil e talvez precise de ser substituído por uma variante do mesmo. Um erra contra a natureza das coisas; outro erra na coreografia. Onde é que já se leu ou viu isto na comunicação social? Por todo o lado.

O contrário seria igualmente manipulatório e parcial, mas, mesmo que o fosse, precisava de existir para falarmos dele. Ora o contrário não tem hoje jornais, nem estações de rádio e televisão. E modelos como os blogues e páginas de Facebook anónimas como os Truques da Imprensa Portuguesa ou a “geringonça”, na tradição da Câmara Corporativa, são uma péssima resposta, muito habitual nos departamentos de “truques” do PS, porque miméticos face à dominação da direita nos órgãos de comunicação social. Eu não quero substituir uma imprensa de direita por outra do PS, ou pior ainda governamental, mas que haja, bem ou mal, uma comunicação social menos enfeudada ao poder do “pensamento único”, que não condicione pela agenda, pelo tratamento de títulos e notícias, pela duplicidade política do que entende “grave” ou venial e que, acima de tudo, actue num sentido único da vulgata que passa nos nossos dias por ser a “realidade”.

(Continua…)

Ver original completo

-0

Deixe um comentário

48 − = 43

Facebook
Twitter
Google+
Linked In
RSS
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!