mw-860

“Crescimento Económico” vs “Desenvolvimento Económico”

Marco Dias | http://contaslsv.blogspot.pt

 

Apesar de estarmos na era da informação, prevalece ainda a sobreposição (des)propositada entre os conceitos de ”crescimento económico” e de ”desenvolvimento económico” Assim, cumpre contribuir de alguma forma para que cada cidadão consiga decifrar a linguagem (tantas vezes demagógica) dos “pré enchedores” do tempo de antena.

“Crescimento Económico” é geralmente medido pelo aumento do Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, a variação (positiva) da produção de uma determinada região ou país. Este indicador basicamente soma todos os produtos e serviços dessa região ou país num determinado período (geralmente um ano).

“Desenvolvimento Económico”, por seu lado, está relacionado com a melhoria do bem-estar da população, sendo geralmente medido através de indicadores de educação, saúde, segurança, justiça, rendimento, pobreza, entre outros. Atualmente, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é o critério mais utilizado para comparar o desenvolvimento de diferentes economias. O IDH varia entre 0 (o pior possível) e 1 (o melhor possível), sendo que Portugal apresenta um índice de 0,83 considerado muito alto desde 2007 (altura em que ascendeu a 0,80). O país está na parte final do Top 50 mas ainda longe da média destes países (0,89).

O conceito de desenvolvimento é (mais) qualitativo, pois considera sempre a afetação dos recursos aos diferentes setores de atividade para melhorar os indicadores de bem-estar económico e social. Resumindo, podemos dizer que o “desenvolvimento económico” combina o crescimento com a (boa) distribuição do rendimento. Por outro lado, podemos estar seguros que crescimento não é necessariamente significado de desenvolvimento. Por isso, para quando a comparação de desempenhos governativos através da análise deste(s) indicador(es) de desenvolvimento em detrimento do PIB e do défice orçamental?

Recomenda-se a leitura do artigo deste blog acerca do “défice orçamental e dívida pública” [link].

Triste constatação: Na modernidade o foco está no crescimento (desenfreado ou infinito, mesmo contrariando a lógica). Concentrar a mensagem política (e da imprensa) na taxa de crescimento do PIB e no estranho conceito do sobe e desce do défice orçamental indexado ao PIB para comparar desempenhos governativos é uma farsa para tolos. Apenas para justificar a dívida soberana que é (vergonhosamente) assumida pela Nação contando com… o seu “crescimento económico” (no futuro, com base em estimativas que raramente se confirmam). Em última instância, as previsões falham (quase sempre) e o ónus é integralmente assumido pelos contribuintes ou, mais concretamente… pelos nossos descendentes.

-1

Deixe um comentário

+ 24 = 26

Facebook
Twitter
Google+
Linked In
RSS
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!