sangue-colheita-hospital

Mais um caso de corrupção no concurso de fornecimento de plasma sanguíneo aos hospitais

Henrique Machado e Tânia Laranjo | Correio da Manhã

 

Máfia do sangue dá meio milhão a jurada
Elsa Morgado, a farmacêutica que em 2000 representou a Associação Portuguesa de Hemofilia no concurso público em que a Octapharma ganhou o exclusivo do fornecimento de plasma sanguíneo aos hospitais portugueses, terá sido corrompida por Lalanda e Castro, o patrão da gigante farmacêutica suíça, em mais de meio milhão de euros, apurou o CM. São os valores do suborno para esta arguida já apurados até agora no âmbito da investigação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Judiciária – que lhe foram pagos faseadamente ao longo dos últimos 16 anos.

Os hemofílicos foram representados no concurso público enquanto doentes que são os maiores necessitados de plasma sanguíneo. E a farmacêutica Elsa Morgado, que em 2000 estava ligada à associação, foi designada para representar aqueles doentes – tendo a PJ apurado que se deixou corromper em troca de mais de 500 mil euros em dinheiro. E prosseguiu a sua carreira, tendo trabalhado, até há alguns meses, no Instituto Português do Sangue. Agora estará numa farmácia particular. O CM tentou ontem contactá–la, sem sucesso. Não foi detida, por enquanto, mas arrisca ser acusada por corrupção passiva.

Ver artigo completo

-0

Deixe um comentário

− 1 = 3

Facebook
Twitter
Google+
Linked In
RSS
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!